Frases da História do Amor | Frases, Mensagens e Legendas

Era uma vez um menino que amava uma menina, e a risada dela era uma pergunta que ele queria passar a vida inteira respondendo.

Tudo que você precisa é de amor. Mas um pouco de chocolate de vez em quando não faz mal.

Quero dizer em algum lugar: tentei perdoar. E ainda. Houve momentos em minha vida, anos inteiros, em que a raiva tomou conta de mim. A feiúra me virou do avesso. Havia uma certa satisfação na amargura. Eu cortejei isso. Ele estava do lado de fora e eu o convidei a entrar.

Para a vovó: Era uma vez um menino que voava.

Às vezes, só para pintar uma cabeça é preciso abrir mão da figura inteira. Para pintar uma folha é preciso sacrificar toda a paisagem. Pode parecer que você está se limitando no início, mas depois de um tempo você percebe que tendo um quarto de polegada de algo você tem mais chances de se apegar a um certo sentimento do universo do que se fingisse estar fazendo o mesmo. céu inteiro.

No final, tudo o que resta de você são seus bens. Talvez seja por isso que nunca consegui jogar nada fora. Talvez seja por isso que acumulei o mundo: com a esperança de que, quando morresse, a soma total das minhas coisas sugerisse uma vida maior do que aquela que vivi.

Se não fosse por ela, nunca haveria um espaço vazio, nem a necessidade de preenchê-lo.

Tantas palavras se perdem. Eles saem da boca e perdem a coragem, vagando sem rumo até serem arrastados para a sarjeta como folhas mortas. Em dias chuvosos você pode ouvir o refrão deles passando.

Uma média de setenta e quatro espécies são extintas todos os dias, o que foi um bom motivo, mas não o único, para segurar a mão de alguém.

E se o homem que uma vez foi um menino que prometeu que nunca se apaixonaria por outra garota enquanto vivesse cumpriu sua promessa, não foi porque ele era teimoso ou mesmo leal. Ele não pôde evitar.

Tudo o que quero é não morrer num dia em que passei despercebido.

Wittgenstein escreveu uma vez que quando o olho vê algo belo, a mão quer desenhá-lo. Eu gostaria de poder desenhar você.

Parte de mim é feita de vidro e também, eu te amo.

Quando fiquei mais velho, decidi que queria ser um escritor de verdade. Tentei escrever sobre coisas reais. Eu queria descrever o mundo, porque viver num mundo não descrito era muito solitário.

Afinal quem não quer fazer da sua solidão um espetáculo

Se em grandes reuniões ou festas, ou perto de pessoas de quem você se sente distante, suas mãos às vezes ficam penduradas de maneira estranha nas pontas dos braços – você fica sem saber o que fazer com elas, dominado pela tristeza que surge quando você reconhece as estranhezas do seu próprio corpo – é porque suas mãos se lembram de uma época em que a divisão entre mente e corpo, cérebro e coração, o que está dentro e o que está fora, era muito menor.

E é como um pequeno nada que desencadeia um desastre natural do outro lado do mundo, só que isso foi o oposto do desastre, como por acidente ela me salvou com aquele ato impensado de graça, e ela nunca soube, e como isso, também faz parte da história do amor.

Talvez a primeira vez que você a viu você tivesse dez anos. Ela estava exposta ao sol coçando as pernas. Ou traçando letras na terra com um pedaço de pau. Seu cabelo estava sendo puxado. Ou ela estava puxando o cabelo de alguém. E uma parte de você foi atraída por ela, e uma parte de você resistiu – querendo andar de bicicleta, chutar uma pedra, permanecer descomplicado. Ao mesmo tempo você sentiu a força de um homem e uma autopiedade que fez você se sentir pequeno e magoado. Parte de você pensou: Por favor, não olhe para mim. Se você não fizer isso, ainda posso me afastar. E parte de você pensou: Olhe para mim.

Ela se foi, e tudo o que restou foi o espaço que você cresceu ao redor dela, como uma árvore que cresce ao redor de uma cerca. Durante muito tempo permaneceu vazio. Anos, talvez. E quando finalmente foi preenchido novamente, você sabia que o novo amor que sentia por uma mulher teria sido impossível sem Alma. Se não fosse por ela, nunca haveria um espaço vazio, nem a necessidade de preenchê-lo.

Ela se foi, e tudo o que restou foi o espaço onde você cresceu ao redor dela, como uma árvore que cresce ao redor de uma cerca.

A verdade é o que inventei para poder viver.

Era uma vez um menino que morava em uma casa do outro lado do campo de uma menina que não existe mais. Eles inventaram mil jogos. Ela era rainha e ele era rei. À luz do outono, seu cabelo brilhava como uma coroa. Eles coletaram o mundo em pequenos punhados. Quando o céu escureceu, eles se separaram com folhas nos cabelos.

Franz Kafka está morto. Ele morreu em uma árvore da qual não quis descer. “Descer!” eles choraram para ele. “Desça! Desça!” O silêncio encheu a noite, e a noite encheu o silêncio, enquanto esperavam que Kafka falasse. “Não posso”, disse ele finalmente, com uma nota de melancolia. “Por que?” eles choraram. Estrelas se espalharam pelo céu negro. “Porque então você vai parar de perguntar por mim.”